segunda-feira, 6 de julho de 2009

REUNIÃO PEDAGÓGICA : ELABORAÇÃO DE ATIVIDADES


No dia 03 de julho( Sexta-feira) nos períodos matutino e vespertino a Equipe Gestora Escolar e professores da Educação Infantil e Ensino Fundamental participaram da Reunião Pedagógica para estudo e reflexão sobre elaboração de atividades para sala de aula.
Na oportunidade a direção escolar realizou uma abordagem geral sobre o funcionamento da escola pontuando a prática docente. A diretora Rosangela destacou :
* a necessidade do professor ser consciente do seu papel de ensinante e aprendente que tem como missão fazer o aluno avançar em seus conhecimentos;
*como membro de um grupo educacional o professor é co-responsável pela organização da escola;
*que é preciso ser ético;
*participar pela melhoria da escola assumindo compromissos;
*zelar pela própria saúde física e mental;
*ser pontual na entrega de materiais solicitados à equipe gestora ;
*lembrar da importância do afeto e da alegria no processo ensino-aprendizagem;
*desenvolver o hábito da leitura na escola dando exemplo aos alunos.

Posteriormente o supervisor escolar Giovanni expôs, com o auxílio do data-show, os pontos para reflexão e estudo. A partir de uma mensagem para o momento foram feitos os questionamentos: Como seu aluno aprende ? O que prova que ele aprendeu? Qual caminho é percorrido pelo aluno que efetiva a aprendizagem? Como se organiza o sistema neurológico do aluno? Como é construído este caminho? Qual a importância do estímulo na aprendizagem? Você esta estimulando seus alunos? O que é importante : a resposta ou a pergunta para a aprendizagem?
Foram apresentados aos professores o Boletim atual da REME e da escola e média nacional do desempenho em língua portuguesa e matemática na 4ª série/5º ano e 8ª série/9º ano. O supervisor escolar enfatizou que a leitura dos gráficos e/ou tabelas de desempenho devem ser analisados a partir de uma reflexão crítica, e para isso o professor terá que desenvolver uma visão da totalidade do contexto educacional. Após comentários sobre o desenvolvimento de habilidade e competência, ele destacou a importância do momento de elaboração ou escolha de atividades a serem apresentadas aos alunos. As atividades devem prever a estrutura: estímulo, enunciado, comando. Foram analisadas algumas questões utilizadas nas avaliações. Realizou-se a leitura das questões pontuando as dificuldades encontradas considerando as hipóteses de raciocínio dos alunos. Nos gráficos apresentados os professores visualizaram o desempenho em produção de texto dos alunos dos 3º anos, 4º anos e 8º anos da REME no ano de 2008 e produções de textos elaboradas por alguns alunos de 2007 a 2008.
A reunião foi finalizada com a leitura criativa do funcionamento do cérebro feminino e masculino.
Fonte/Autor: Giovanni

Um comentário:

  1. As reuniões pedagógicas por aqui são assim:
    Sábado Letivo ou Letal? (TCE – “Tecido Com Escórias”)

    Claudeci Ferreira de Andrade


    Legitima e justifica o sábado letivo apenas porque discute em grupo qualquer assunto da escola? Qual aluno frequentaria uma reunião dessas, num sábado, para torná-lo reconhecido legalmente letivo, sem lhe dar muitos pontinhos na nota? Porém os professores não ganham nada a mais! Chamam-no de parada pedagógica, outros de TCE (trabalho coletivo escolar), contudo chamem-no do que quiserem; não passa de um encontro para dar atenção somente às diferenças pessoais e se acrescentam alguns informes locais, que nem precisavam ser transmitidos lá. Muitos preferem chamá-lo, por isso, de “lavação de roupa suja”, eu gostaria que fosse o dia de descanso, como diz a Bíblia Sagrada: “Lembra-te do dia de sábado para santificá-lo. Trabalharás durante seis dias, e farás todas as tuas obras. O sétimo dia, porém, é o sábado de Iahweh, teu Deus. Não farás nenhum trabalho, nem tu, nem o teu filho, nem a tua filha, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está nas tuas portas. Porque em seis dias Iahweh fez o céu, a terra, o mar e tudo o que eles contêm, mas repousou no sétimo dia: por isso Iahweh abençoou o dia de sábado e o santificou.” (Ex. 20:8-11 BJ). Como se fazia melhor educação, que agora, no ensino regular, com 180 dias letivos no ano, sem profanar o dia?

    Muitos educadores detestam este fardo, ter que ir à escola no dia de sábado, e a choradeira aumenta quando faltando, o ponto é cortado, tiram do seu mísero salário! Outros vão a fim de ser aceitos e amados. Esforçam-se em dar significativas contribuições para que seus chefes fiquem contentes. Sentem que devem ser engraçados ou de boa aparência a fim de que sejam reconhecidos. Sabem que seu diretor aprecia se tiver bom comportamento na reunião. Mas, e a ferramenta que precisa ser amolada para o trabalho produtivo e eficiente da sala de aula nos dias normais? O problema se avoluma quando, após um encontro desses, refletimos e nos deparamos com a triste realidade que uma manhã toda de “trabalhos” não nos acrescentou nada em nossa vida profissional, uma vez que não havendo educandos, apenas se foi a vitalidade intelectual! É como já disse Luís de Camões: "O fraco rei faz fraca a forte gente".

    De alguns anos para cá, tenho chegado à crua conclusão de que em vez de tentarmos manter só a aparência, que é inútil, quando contemplamos as reais necessidades da educação pública, deveríamos crescer de fato, procurando o conhecimento casado com a experiência que gera qualidade. Penso que haveria muito menos professores e funcionários da educação desanimados se tivessem essa compreensão. É isto que direciona a educação para a vida: importar-se mais com a qualidade que com a quantidade.

    ResponderExcluir

BUSCAR NESTE BLOG

Carregando...

REFLEXÃO:


Clique na imagem para visualizá-lo.
;